quinta-feira, 26 de julho de 2012

RUMOR DE ELEFANTE

 Foto da minha linda Monalisa (direitos By Mar) Monalisa afirma com um olhar e um latido, ter visto o elefante Nathanaél Proboskiphore flutuando acima do livro.

Titulo original Frances: UNE RUMEUR D’ÉLÉFANT
Alain Gerber – Editora Globo 1987
Um dos destaques do livro é a tradução brilhante de Marta Nehring, para o idioma português. Para quem gosta de um personagem que apanha tanto a ponto de ficar com a cara parecendo um triângulo torto, o personagem Yagel é o saco de pancadas no livro.
Vimlo Naftali, Irmão de Yagel é o fundador (no acaso) da idéia da elefantoscopia que vira a principal matéria aulas de Metafísica.
Na, pag. 21, num diálogo para com Vimlo, sobre a volta do Messias e os três postulados da seita –O primeiro é a teoria prática: se o mundo se tornasse absolutamente puro, para que serviria um redentor? O segundo é a teoria física:a pureza não teria como atrair pureza, posto que o cheio não atrai o cheio; é o vazio que recebe o pleno. E o terceiro é a teoria metafísica: se a natureza humana implica a faculdade de ser impuro, então ela também participa, de alguma forma, da impureza e, então, não saberia se tornar absolutamente pura, seja lá quais forem os esforços que a criatura fizer nesse sentido.
Na pag. 83 – Kryla Krylakuri, um dos personagens filósofos do livro fala a Vimlo:  A impureza não precisa nem de mim e nem de nenhum outro para crescer e espairecer. A gente tem que cuidar dos lilases e das roseiras, mas com as ervas daninhas não é preciso a menor preocupação. O mal é como uma praga, cresce sozinho.
No capítulo 51 pag. 268 – ALEXANDOR NEGLATKINE DEDICA-SE A MISE EM SCÉNE.
Nessa aula de psicologia fundamental a questão fundamental é: “A consciência do elefante constrói ou denuncia o espaço que a circunda? Em que medida podemos afirmar que esse espaço é tão somente uma dimensão de tempo?
Na pag. 288 “Os inferiores (empregados) devem permanecer na ignorância de sua superioridade ou o mundo ficaria de cabeça para baixo e os fundamentos da civilização seriam contestados”
A história por outro lado se desenrola numa mentira que se pode afirmar como sendo verdade desde que se obtenha número de pessoas, para virar uma alucinação coletiva, tipo afirmar de que esse livro não existe, vou até tirá-lo de sua imaginação para que você concorde comigo.
Quanto ao elefante NATHANAÉL PROBOSKIPHORE, na pag. 377 Josef Kansel fala a Vimlo, entre risos de ambos,  -, para aqueles que nos venciam, era que, bom, um probleminha de nada, três vezes nada... Pois apesar de continuares sendo incapazes de vê-lo, tinham acabado de provar para si próprios que o elefante existia.
Entre outros personagens e ou elementos lexicológicos temos: Luudi Pthoklyno, Mazaudi Noshgo (professor), Zohobar Kuusch (diretor da escola), Gedeão Boubarki (o aluno sabe tudo).
Para mim o livro é ÓTIMO por um único motivo:  -Fiquei na dúvida se gostei ou não e essa dúvida me faz ter a certeza que gostei porque, podemos facilmente achar o que não é,  como sendo e vice-versa.

Digitado em negrito são frases do livro,
em azul - são meus devaneios.
By Mar
Postar um comentário